quarta-feira, 19 de maio de 2010

TUDO PODE DAR CERTO

Hoje, às sete horas e quarenta minutos da noite, decidi assistir Tudo pode dar certo, de Woody Allen. Como estava em cima da hora, peguei a bolsa e saí apressada para o cinema, mas a tempo de chegar antes do filme começar.

O meu estado de espírito não estava dos melhores por conta de uma contrariedade que me deixou completamente desapontada. Logo no início da sessão, ao me deparar diante da tela com um velho desagradável e amargo, que gostava de insultar as pessoas, achei que não estava num bom dia para assistir esse tipo de filme, e por duas ou três vezes fiquei tentada a me retirar do cinema.

Por outro lado, eu sabia de antemão que estava diante do genial woody Allen, e o problema não era o velho grosseiro e mal humorado da tela, a questão era tão somente o meu desconforto. Por isso, forcei uma barra e fui ficando. No final, saí do cinema convicta de que fiz a escolha certa.

Boris, o personagem principal, é um rabugento irrecuperável. Mas a grande sacada do filme fica por conta dele próprio se render à constatação de que, seja lá como for, qualquer forma de amor que conseguir dar e receber... qualquer felicidade que proporcionar... até mesmo a graça temporária... tudo está valendo!

14 comentários:

  1. Verdade absoluta.
    Tudo pode dar certo mesmo, desde que,estejamos abertos para qualquer forma de felicidade.

    Beijos no coração.

    ResponderExcluir
  2. Oi Chris,

    Beijos também no seu coração. Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  3. Querida, alôôoo. Estou de volta depois de um breve, brevíssimo descanso. O filme do Allen está na minha agenda. Minha prima foi e gostou. Agora com a sua indicação então...Um bom programa para a semana de luta, enjôos e guerras sempre vitoriosas. beijos

    ResponderExcluir
  4. Voltei para te ver. Quarta, dia que vou para Radio Globo. 3 da tarde. Ouça ou me veja pela internet.
    Está velejando por aí?

    ResponderExcluir
  5. Deu sorte em ficar e assistir até o final, Angela.
    Vejos pelos comentários - e você tem a cor cracterística -, que gosta de velejar. Aqui dá para eu escrever um romance.
    Belo e bem cuidado seu blog, parabéns.

    Carinho
    Jorge

    ResponderExcluir
  6. Passei para deixar meu beijo semanal e dizer que vc ficou ótima nas filmagens do Blog,ao meu lado.

    ResponderExcluir
  7. Oi... Há quanto tempo hein??? Ao voltar aqui encarei como dica de um belo filme. Se você recomenda vou tentar ver. Eu não me considero rabujento e acredito mesmo que as vezes qualquer pequena coisa pode fazer a diferença.

    ResponderExcluir
  8. Estou te oferecendo um selinho no meu blog, passa lá. bjsss

    ResponderExcluir
  9. Oi, Angela, vim convidá-la para o lançamento de ‘O Último Mensageiro’, livro que autografo na próxima quinta feira, 16/12, a partir das 18hs30 na Livraria da Vila (Fradique Coutinho, 915 – Pinheiros, São Paulo/SP) Apareça por lá!

    PS: o livro também estará disponível no blog do mensageiro a partir do dia 16

    ResponderExcluir
  10. Já comentei a postagem, Angela. Não me repondeu se é velejadora. Eu era navegador do "Mercurius". Com o falecimento do comandante, Jachinto Azeredo Soares, não voltei mais ao convés. Velhice mesmo, rs.
    Obrigado por ser minha mais nova amiga.

    Carinho,
    Jorge

    ResponderExcluir
  11. Amigos um belo dia do amigo pra vcs... na musica do milton nascimento e fernando brant a belíssima _Canção da América_, nada pode representar melhor um amigo e a sua importância...



    Canção da América



    Amigo é coisa pra se guardar

    Debaixo de sete chaves,

    Dentro do coração,

    assim falava a canção que na América ouvi,

    mas quem cantava chorou ao ver o seu amigo partir,

    mas quem ficou, no pensamento voou,

    com seu canto que o outro lembrou

    E quem voou no pensamento ficou,

    com a lembrança que o outro cantou.

    Amigo é coisa para se guardar

    No lado esquerdo do peito,

    mesmo que o tempo e a distância, digam não,

    mesmo esquecendo a canção.

    O que importa é ouvir a voz que vem do coração.

    Pois, seja o que vier,

    venha o que vier

    Qualquer dia amigo eu volto a te encontrar

    Qualquer dia amigo, a gente vai se encontrar.



    depois disso é esperar que nossos corações emocionem-se com nossas amizades como emocionamo-nos qdo ouvimos esta declaração de amor, tão maravilhosamente interpretada na voz do meu querido milton nascimento.



    e esperar que cada um de nós escute o que fala o nosso coração...ate pq tudo que eu queria dizer eles já falaram, faço minha a voz deste gigante da nossa musica.

    ResponderExcluir